LISTA de AUTORES

     ||  Início  ->  Lista de Autores | Autores+Lidos
de paginação
<- ordem
Ecclesia Militans (9)
Ed René Kivitz (1)
Eder Silva (1)
Editora Cleofas (1)
Edmilson Silva (4)
Edson Sá (1)
Eduardo Herberhold (1)
Eduardo Rosa Pedreira (1)
Edward Sri (1)
Efraim Rodrigues (1)
Elton Flaubert (1)
Emanuela Marinelli (1)
Emerson Oliveira (2)
Érick Gomes (2)
Eros Roberto Grau (1)
Estêvão Bettencourt (1318)
Ettore Ferrari (1)
Everth Oliveira (3)
Everton Siqueira (2)
Ewerton Caetano (2)


Aborto Garantido
 Aborto Garantido
Entrevista com o Pe Bartolome Menchén sobre sua experiência nos países nórdicos da Europa (fevereiro 1991).

PAL.: "Vamos por partes. Que nos pode dizer V. R. sobre o respeito à vida?"

B.M.: "O Movimento Pró-Vida praticamente não existe nos países nórdicos. Na Finlândia alguns se apresentam para a batalha. Da Suécia lembro uma história muito significativa. Uma imigrante sul-americana, católica, esperava seu terceiro filho. Numa das entrevistas com a assistente social, que acompanhava a situação, esta lhe comunicou que já havia disposto todas as coisas para que fosse para o hospital. Com surpresa, já que estava passando muito bem, perguntou para que devia ir para o hospital. A resposta deixou-a emocionada: como já tivera dois filhos, supunha-se que queria abortar o terceiro e, por isto, já estava tudo preparado".

PAL.: "E a família?"

B.M.: "Logicamente sofre em cheio a crise que afeta o indivíduo. A família é constituída por pessoas e, se estas receberam educação individualista, transmitem as graves carências de que sofrem".

Assisti na TV sueca a cinco diálogos entre pais e filhos realmente lamentáveis. Na Suécia (trata-se de dados colhidos há poucos anos) uma entre quatro crianças precisa de atenção psiquiátrica antes dos quinze anos, e o número de suicídios infantis (127 por ano) é proporcionalmente o mais elevado do planeta.

Na Finlândia ouvi no ano passado uma série de programas de rádio que tratavam da conveniência de 'descansar' do cônjuge. Propunham que o marido e a mulher se separassem periodicamente um do outro e vivessem sem contatos durante um período mais ou menos longo, para evitar que chegassem a se entediar um do outro.

O número de divórcios, nesses países, triplicou nos últimos vinte anos. Na Suécia representa mais da metade dos casamentos. O sistema de subvenções encarrega-se de aumentá-lo, pois o Estado se obriga a pagar uma quantia conveniente à parte que fica com os filhos; mas, como os filhos podem viver alternativamente com o pai e com a mãe, ambos podem receber a subvenção.

A família separada encontra-se, portanto, em situação econômica mais favorável do que a unida. Há casos de pessoas divorciadas no papel, mas que continuam a viver juntas. Desta forma o orçamento é menos apertado. Pois a vida é muito cara e sustentar uma família numerosa supõe um desafio ao sistema e uma prova de valor.

Mas, mesmo quando não há uma família grande, a pressão social é tão forte que se torna muito difícil à mulher dedicar-se ao cuidado dos filhos e de sua casa. Na Suécia (em outros países nórdicos os índices são superiores) 90% das mulheres trabalham fora do lar. Não é estranho que Olof Palme tenha podido dizer: "A dona de casa morreu!" O que há de terrível, neste caso, é que não o tenha dito com preocupação, mas como quem proclama uma vitória.

Por conseguinte, a família está-se desintegrando há anos; e, dentro da família, especialmente a mulher, porque se trata de sociedades muito machistas".

A ironia é que, segundo pesquisas recentes, na Suécia, de 86% das mulheres que trabalham fora do lar, 70% desejariam ficar em casa e ocupar-se com os filhos; tal desejo, porém, é inexeqüível.

Ver artigo completo de Dom Estêvão Bettencourt intitulado 'O Bem-estar que Não Satisfaz'.