REVISTA PeR (1990)'
     ||  Início  ->  
Artigo

PERGUNTE E RESPONDEREMOS -002 / novembro 1957

 

Existem testemunhos não cristãos da existência de Jesus?

SAGRADA ESCRITURA

Célia (Rio de Janeiro): "Existem testemunhos não cristãos da existência de Jesus?"

 

Sim; há nas literaturas judaica e romana certas alusões à vida de Jesus. Não são tão numerosas quanto nós hoje, conhecendo a importância do Cristianismo, poderíamos esperar; os homens não-cristãos das gerações contemporâneas e imediatamente subsequentes a Cristo não percebiam todo o alcance da personalidade e da obra de Jesus, humilde filho de carpinteiro, nascido num recanto de insignificante província romana, pertencente ao. desprezado povo judeu. Contudo os testemunhos não-cristãos, por muito sóbrios que sejam, obrigam a reconhecer a existência histórica de um personagem chamado Jesus ou Cristo, crucificado na Palestina sob o governo de Tibério (14-37). Examinemo-los, pois. sumariamente:

 

1. Testemunhos judaicos

 

A literatura religiosa dos judeus posteriores a Cristo é representada principalmente pelo Talmud, que vem a ser uma coleção de leis e comentários histórico-jurídicos devidos aos rabinos e aos fariseus. Transmitidos oralmente desde o início da era cristã, esses ensinamentos foram finalmente codificados nos séc. 5º e 6º d. C. na Palestina e na Babilônia. Apresentam algumas passagens referentes a Jesus. O valor dc tais testemunhos está em que, embora se oponham à tradição cristã, não negam a existência de Cristo, mas procuram interpretá-la de maneira a ridicularizar os fundamentos da fé cristã (quem se daria ao trabalho de desfigurar uma figura lendária?). Eis um ou outro dos espécimes mais significativos dessa tradição:

 

1.1) O tratado Sanhedrim 43ª do Talmud da Babilônia refere:

 

"Na véspera de Páscoa, suspenderam a uma haste Jesus de Nazaré. Durante quarenta dias um arauto, à frente dele, clamava: ‘Merece ser lapidado porque exerceu a magia, seduziu Israel e o levou à rebelião. Quem tiver algo a dizer para o justificar, venha proferi-lo!’. Nada, porém, se encontrou que o justificasse; então suspenderam-no à haste na véspera de Páscoa."

 

Este texto parece envolver contradição: Jesus fora condenado à lapidação, mas a pena aplicada foi a de pender do lenho. Talvez se possa explicar a incoerência pelo fato de que a lapidação era o castigo judaico infligido aos magos, sedutores do povo e idolatras; dizendo-se, pois, que Jesus fora condenado ao apedrejamento, procurava-se justificar a sua condenação; contudo a crucificação de Jesus era fato demasiado arraigado na tradição para que se pudesse dizer que morrera lapidado. — Note-se outrossim a acusação de magia feita a Jesus: supõe que o Senhor haja realizado milagres (os milagres de que fala. o S. Evangelho); interpreta-os, porém, em sentido pejorativo", como obras diabólicas; chama a nossa atenção a semelhança entre esta interpretação e a que os fariseus proferiram, imputando a Jesus colaboração com Beelzebul, o príncipe dos demônios (cf. Mc 3,22). — Outro pormenor interessante: as narrativas evangélicas dão a entender que o processo de Jesus re realizou às pressas, já estando sua condenação preconcebida. Ora o Talmud admite o surpreendente e inverossímil intervalo de quarenta dias entre a condenação e a execução, intervalo oferecido às testemunhas para se manifestarem; o que vem a ser uma tentativa de reabilitar os juízes de Jesus.

 

1.2) Em Aboda Zara 40d Jesus é dito Ben-Pandara ou Ben-Panthera, filho de Pantera. Esta expressão aramaica não parece ser senão a transposição do grego huiòs te.s parthénou, filho da virgem, título com que os cristãos designavam Jesus; segundo a intenção polêmica dos talmudistas, o substantivo comum parthénos foi transformado em nome próprio e passou a designar o pai ilegítimo que os rabinos atribuíam a Jesus (Maria estava oficialmente casada com um varão cujo nome no Talmud é Pappos ou Stada); teríamos nesta passagem rabínica uma confirmação da antiguidade da fé no nascimento virginal do Senhor;

 

1.3) Jesus, na mesma coleção, é geralmente chamado "um tal" ou "Balaã" (antigo mago de Num 22-24), "louco", "bastardo" ou ainda por outro título mais injurioso, o que de certo modo evidencia a atitude geral dos talmudistas em relação a Cristo.

 

Em suma, ao considerar os dados da tradição rabínica concernentes a Jesus (os quais ainda foram ampliados no livrinho Totedoth Jeshua, dos séc. 8.°/9.°), os críticos modernos têm-nos como argumentos indiscutíveis da existência de Cristo; esses escritos supõem, e em certo sentido confirmam, o que dizem os Evangelhos; as interpretações, porém, que sugerem, apresentam-se demasiado tendenciosas para gozar de autoridade. Sendo assim, os críticos judeus mesmo não utilizam o Talmud para escrever a vida de Jesus; haja vista, por exemplo, a obra The Jewiah Encyclopedia, de autores israelitas, (12 volumes, Nova Iorque, a partir de 1904): o seu artigo Jesus of Nazareth (vol. 7, col. 160-178) se divide em três partes: "Jesus na história" e "Jesus na teologia", estudos baseados sobre documentos cristãos, e “Jesus na tenda judaica” apresentação dos dados talmúdicos (!)

 

Fora da tradição rabínica, existe o importante historiador judeu Flávio José, do séc. 1º d. C. Menciona duas figuras da história do Novo Testamento: João Batista, sua pregação e sua morte (Antiguidades judaicas XVIII 116-119) e Tiago, "irmão de Jesus, chamado o Cristo" (Ant. XX 200). Além disto, encontra- se em Antiguidades XVIII 63-64, o seguinte trecho:

 

"Por essa época apareceu Jesus, homem sábio, se é que há lugar para o chamarmos homem. Porque ele realizou coisas maravilhosas, foi o mestre daqueles que recebem com júbilo a verdade, e arrastou muitos judeus, e igualmente muitos gregos. Esse era o Cristo. Por denúncia dos príncipes da nossa nação, Pilatos condenou-o ao suplício da cruz; mas os seus fiéis não renunciaram ao seu amor por ele, porque ao terceiro dia ele: lhes apareceu ressuscitado, como o anunciaram os divinos profetas juntamente com mil outros prodígios a seu respeito. .Ainda hoje subsiste o grupo que por sua causa recebeu o nome de cristãos".

 

Este testemunho, tão explícito e forte, está sujeito a dúvidas dos críticos. Autores católicos como o Pe. Lagrange, Mons. Batiffol, tem-no como interpolado por mãos cristãs na obra de Flávio José; ao contrário, críticos protestantes ou liberais, como Harnack e Burkitt, defendem sua autenticidade. Muito provável é a sentença de Reuss, Renan, Reinach e outros, que afirmam tratar-se de uma passagem retocada, ou seja, originariamente escrita por Flávio José, mas no séc. 2.° explicitada e melhorada no sentido cristão por um copista entusiasta.

 

A razão porque Flávio José, geralmente rico em notícias, se mostra tão sóbrio nas suas referências a Jesus é, como se julga, o fato de que, por seus escritos, queria bajular os romanos e conciliar-se as suas boas graças; por isto terá omitido os temas que poderiam melindrar os senhores do Império, temas entre os quais estava o messianismo judaico (a esperança messiânica de Israel implicava a ruína dos impérios terrestres, que deveriam ser substituídos pelo Reino do Messias).

 

2. Testemunhos romanos

 

No segundo decênio do séc. 2º três escritores romanos deixaram-nos o seu depoimento sobre Cristo e os cristãos.

 

No ano de 112, Plínio o Jovem, governador da Bitinia (Ásia Menor), enviava uma carta ao Imperador Trajano, na qual pedia instruções sobre o modo como proceder com relação aos cristãos: estes, que se iam difundindo cada vez mais, "estavam acostumados a se reunir em dia determinado, antes do nascer do sol, e cantar um cântico a Cristo, que eles tinham como Deus (quod essent soliti stato die ante lucem convenire carmenque Christo quasi Deo dicere)" (epístolas, livro X 96).

 

O mais importante é o testemunho de Tácito, que, escrevendo os seus Anais por volta de 116, noticiava, a propósito do incêndio de Roma ocorrido cm 64:

 

"Um boato acabrunhador atribuía à Nero a ordem de pôr fogo à cidade. Então, para cortar o mal pela raiz, Nero imaginou culpados e entregou às torturas mais horríveis esses homens detestados pelas suas façanhas, que o povo apelidava cristãos. Este nome vem-lhes de Cristo, que, sob o reinado de Tibério, (foi condenado ao suplício pelo Procurador Pôncio Pilatos. Esta seita perniciosa, reprimida a principio, expandiu-se de novo, não somente na Judéia, onde tinha tido a sua origem, mas na própria cidade de Roma..." (Anais XV 44).

 

Estas linhas atestam com clareza a existência e o quadro histórico da obra de Jesus; executado na Judéia, sob Tibério (14-37) por ordem de Pôncio Pilotos (26-36; cf. Lc 3,1), foi chamado Cristo ou Messias pelos seus discípulos, que até o início do séc. 2º persistiam fervorosos. Julgam os críticos que Tácito colheu as notícias acima não em fonte cristã (dado o tom hostil da narrativa") nem em fonte judaica( os judeus, entre outras coisas, nunca teriam designado o chefe da seita como Cristo, vocábulo grego equivalente ao hebraico Messias), mas em fonte pagã (o que é particularmente importante).

 

O terceiro depoimento, datado de cerca de 120, é o Suetônio, o qual confirma que sob Nero foram "sujeitos a suplício os cristãos, estirpe de homens de uma superstição nova e maléfica" (Nero 10). Referindo-se ao reinado de Cláudio (41-54), diz outrossim que este "expulsou de Roma os judeus, os quais, sob o impulso de Cresto, se haviam tornado causa frequente de tumultos (ludacos impulsore Chresto assidue tumultuantes expulit)" (Cláudio 25). A expulsão é confirmada pelos Atos dos Apóstolos 18,2, devendo-se ter dado por volta de 49/50. Não resta dúvida de que Chrestós é forma equivalente a Christós (e e i se permutavam facilmente na linguagem grega vulgar), de mais a mais que os cristãos ainda no séc. 3º eram chamados chrestianoi (cf. Tertuliano, Apol. 3; Ad Nationes 13; Latâncio, Div. Inst. 4,7). Suetônio, escrevendo setenta anos após os acontecimentos, eslava insuficientemente informado; julgava que Cristo se achava presente em Roma, instigando as desordens,

 

Descendo pela história da literatura pagã, o estudioso encontra outros testemunhos a respeito de Cristo e dos cristãos; sendo mais tardios, interessam-nos menos.

 

Em conclusão, verifica-se não serem muitas as noticias que a literatura romana fornece a propósito de Jesus. A sobriedade compreende-se, dado que o Cristianismo, aos olhos dos pagãos, não era mais do que desprezível superstição oriental; só merecia atenção na medida em que se tornava ocasião de perturbações políticas ou sociais.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
-

:-)