Cai número de cristãos na população dos Estados Unidos

 


Ladeira abaixo

 

Os cristãos brancos caíram de 80% da população há 40 anos para 43% em 2016. A pesquisa é do PRRI (Public Religion Research Institute).

No mesmo período, os nones (não afiliados a religiões, incluindo ateus e agnósticos) se tornaram maioria em 20 dos 50 Estados.

Em todo o país, eles representam 24% da população.

O descolamento da população das religiões fica mais evidente nos dados referentes aos jovens. Os nones com menos de 30 anos já são 38% da população de sua faixa etária.

Os cristãos brancos estão envelhecendo. Cerca de 1 em 10 católicos brancos, evangélicos e protestantes têm menos de 30 anos, em comparação com um terço de todos os hindus e budistas.

Robert P. Jones, CEO da PRRI e autor de The End of White Christian América, disse que a pesquisa contém “evidências sólidas de que está ocorrendo uma nova onda de declínio entre os evangélicos brancos” (1).

Mais paróquias fechadas nos Estados Unidos. O que fazer?

Uma reflexão e um guia sobre as raízes do problema (e como evitá-lo).

Recentemente, foi anunciado o fechamento de um número considerável de paróquias católicas no estado de Connecticut, Estados Unidos. Isso é somente uma parte do problema que está vivendo a Igreja na nação americana, especialmente nas dioceses do norte.

Sobre este aspecto, o monsenhor Charles Pope propôs, na revista Community in Mision, seis pontos para a reflexão, oferecendo aos fiéis americanos um guia para saber quais são as raízes do fenômeno e, portanto, para ajudá-los a enfrentar o problema com mais conhecimento.

  1. Os bispos não fecham as paróquias; são as pessoas que o fazem. É certo, entretanto, que, juridicamente, os bispos são os responsáveis por dar o certificado de reconhecimento de abertura, fechamento ou fusão das paróquias. Em última instância, é o povo de Deus que cria ou retira a necessidade de ter uma paróquia. A dura verdade é que, a cada dia, há mais católicos a favor dos anticoncepcionais e do aborto. O número de fiéis só cai. Nas áreas urbanas do noroeste dos Estados Unidos, somente 15% frequentam regularmente as missas dominicais. Houve uma falha na evangelização, mas as feridas mais profundas estão na diminuição da frequência nas missas e nossa incapacidade de transmitir a fé. Atualmente, estamos enterrando a última geração que ensinou que a missa do domingo é uma obrigação, que deveria ser cumprida – sob a pena de pecado mortal.
  2. Existe uma responsabilidade compartilhada. É fácil ficar zangado com os bispos e padres quando eles fecham as paróquias. Anos de má catequese, falta de pregação efetiva e liturgias mal celebradas estão na conta. E o clero deve ficar com a primeira responsabilidade sobre isso. No entanto, a divisão dos fiéis e o desvio da prática da fé também são fatores importantes. Há muitos padres que não pregam com firmeza nem insistem em uma doutrina clara. O preço disso é alto, sim, mas no final do dia, o clero não pode assumir a responsabilidade completa do problema nem abordá-lo por si só. A evangelização não pode ser só um problema da reitoria; em última instância, é um problema familiar. Os pais e avós devem se esforçar mais para reunir seus filhos em casa e serem testemunhos da força transformadora da liturgia e dos sacramentos.
  3. A liturgia tem culpa? Muitos culpam a liturgia da Igreja Católica por ser “enfadonha”, “monótona” e até “banal”. As soluções para este tema são, muitas vezes, desconcertantes e não cumprem com o objetivo, atraindo somente porções muito pequenas de fiéis. Por exemplo, alguns são a favor da reintrodução da missa tradicional, em latim. Com todo o encanto que isso possa ter, não há uma só diocese nos Estados Unidos em que essa forma de expressar a liturgia atraia mais de um por cento dos frequentadores da missa. Portanto, o problema parece ser mais profundo.
  4. O coração do problema é um mal-estar geral. Há pouca urgência; poucas pessoas parecem sentir a necessidade da fé, da Igreja, dos sacramentos ou da palavra de Deus. O universalismo (todos se salvarão) e o relativismo (tudo é verdade) dentro e fora da Igreja representaram o papel mais importante do problema. O que a Igreja oferece “não é necessário”. Os problemas dela “não são os problemas da modernidade”. A opinião comum em nossa cultura é que a religião é um pouco menos do que um acessório agradável para a vida. Quem se importa com isso?
  5. Como controlar a erosão da prática da fé católica? Como disse Ralph Martin, o primeiro passo deve ser reviver uma visão mais bíblica – com urgência – da salvação. O fato de muitas pessoas, inclusive entre o clero, dizerem que a salvação “não é um problema” não significa que não seja. Jesus dedicou muitas horas de pregação e muitas parábolas para nos alertar sobre a necessidade de merecer a salvação que Ele oferece. Mas muita gente não considera a confissão dos pecados, a frequência na missa e o recebimento da Eucaristia como caminhos para a salvação de nossas almas.
  6. Não cair na ilusão do chamado “discurso do medo”. Muitos temem o juízo de Deus. De algumas coisas temos que ter medo, incluindo nossa tendência a sermos de coração duro e tolos em relação à Graça e a preferir as coisas do mundo às verdades eternas. O pânico, com efeito, não é útil. Mas a sobriedade, a necessidade vital dos sacramentos, a Palavra proclamada, a comunhão e o poder transformador da liturgia são.

É triste perder edifícios, muitos deles verdadeiras obras de arte. Mas é ainda mais triste refletir sobre a perda humana que os edifícios vazios representam (2).

Por que há pessoas que não querem mais ir à Missa?

Um estudo revela as razões que estão fazendo fiéis abandonarem a prática religiosa.

Há quem diga que as pessoas deixaram de ir à igreja devido à falta de flexibilidade que a instituição possui em relação a alguns temas, como sua postura sobre as uniões de homossexuais e outros princípios no que se refere à sexualidade. No entanto, os motivos da falta de fiéis nos templos podem ser outros.

No livro Por qué ya nadie quiere ir a Misa (“Por que ninguém quer ir mais à Missa”), Thom y Joani Schultz, casados e consultores de religião, mostram que, atualmente, muitas pessoas, sobretudo jovens de países com antiga tradição cristã, decidiram se afastar da religião. A afirmação se baseia em uma exaustiva pesquisa que os escritores fizeram em ambientes católicos e protestantes. Além disso, o estudo revela quatro razões pelas quais as pessoas deixaram de frequentar os lugares de culto:

1. As pessoas se sentem julgadas na igreja

Essa é a primeira das quatro causas explicadas pelo casal Schultz que fazem muitas pessoas se afastarem das igrejas ou outros lugares de culto.

Não é que existam muitas pessoas que fazem julgamentos nesses lugares. Há, sim, uma ideia preconcebida por parte de quem se sente julgado. Para elas, pode haver uma solução eficaz: a Igreja deve continuar acolhendo e aceitando todos os fiéis como eles chegam, no estado em que eles se apresentam, independentemente se, aos olhos de Deus, suas atitudes não são boas. Ou seja: é necessária uma “hospitalidade radical”, que abra oportunidade de tratar do tema “pecado” posteriormente.

2. A impossibilidade do diálogo

Thom y Joani Schultz explicam que, no ocidente, as pessoas querem falar e ser ouvidas: os colégios incentivam os debates e, desde cedo, qualquer criança intervém para dizer ao professor a primeira coisa que lhe vem à cabeça; os sites de jornais estão cheios de comentários de pessoas que, muito provavelmente, nem sequer analisaram o tema, mas que têm muita vontade de comentar.

No entanto, quando as pessoas vão à Missa ou a um culto, não encontram um momento para se expressar. Há quem diga que a situação é menos complicada para os católicos, já que, pelo menos, recitamos algumas respostas e rezamos em voz alta. Em muitos cultos protestantes, as pessoas devem se limitar a ouvir o pastor ou a cantar hinos. Quando os cantos são mudados, as pessoas deixam de ter algo para fazer, pois não conhecem as músicas novas.

O casal Schultz detectou que os fiéis querem falar de seus sentimentos religiosos, formular perguntas, sentirem-se ouvidos, o que, claro, não conseguem fazer na Missa. Por isso, a Igreja deveria oferecer espaços para que se possam compartilhar e trocar opiniões. Já que um pároco não pode ouvir atentamente seus dois, três ou 30 mil paroquianos, é preciso incentivar a criação de espaços onde possa acontecer o diálogo, como as células de Evangelização Paroquial, os grupos Carismáticos, os grupos do Caminho Neocatecumenal e outros.

3. O pensamento de que “os cristãos são hipócritas”

O livro diz que não é fácil para as pessoas pensarem que há hipócritas. Com certeza, hipócritas são os outros, “não eu”. A verdade é que os cristãos nunca serão suficientemente virtuosos para os elevadíssimos patamares dos que estão afastados da Igreja. Não importa o bem que os cristãos façam em suas paróquias, quem está afastado sempre encontrará um cristão que não seja suficientemente bom para ele. E, se não encontra um membro pecaminoso da Igreja ao seu lado, encontra-o nos meios de comunicação: um padre vigarista, um religioso que cometeu um crime. Pode encontrá-lo até mesmo no passado: “Não vou à Missa porque a Santa Inquisição…”.

Para os autores, a melhor estratégia para a Igreja é enfatizar o fato de que ela não é uma casa para perfeitos, mas um hospital para enfermos. Além de disso, é preciso fomentar a humildade e fazê-la visível; se a humildade é atrativa, a imagem de humildade é necessária. Esse é o motivo que torna o Papa Francisco atrativo para muitos fiéis afastados.

4. A sensação de que Deus está “distante” ou “morto”

A última razão que o casal Schultz nos mostra é o fato de as pessoas não sentirem que há um Deus vivo. Elas argumentam que não o viram, nem conversaram com Ele. Por isso, a resposta aqui é o Kerigma, o anúncio forte de que “Cristo ressuscitou, nos salva da morte, do pecado e muda nossa vida”. Também deve ser enfatizada a mensagem de que “Deus te ama e te perdoa, de forma pessoal”.

Os autores ainda destacam que, mais do que falar sobre uma moral elevada que as pessoas deveriam praticar, o que é preciso é convidá-las a fazer a prova, a confiar no Senhor, a abrir seus corações a Ele e deixar-se transformar por Ele, já que um encontro pessoal com Deus é a chave. Por isso, a Nova Evangelização pede como dizia João Paulo II, novos métodos, nova linguagem, novo ardor.

Conclusão

Muitos cristãos participaram na igreja com tanta garra e alegria, trabalharam nas pastorais, movimentos, comunidades, estudaram a palavra de Deus, fizeram visitas aos doentes, praticaram a caridade, ajudaram nas festas e nos eventos, conheceram a maravilhosa Graça de Deus, experimentaram a paz de viver a esperança da salvação que há somente na entrega total e incondicional ao Salvador e Senhor Jesus Cristo e hoje não querem mais saber da Igreja e nem das coisas ligadas à obra de Deus. Se você é um desses, retorne para comunidade. Você não está esquecido. O amor a Cristo e ao seu Evangelho é muito mais importante do que todas as incompatibilidades sofridas. Voltar numa nova dimensão na busca ardente de novos conhecimentos sobre o Espírito Santo. Através da ação do Espírito Santo, podemos vencer o pecado e viver de maneira digna. As novas atitudes do cristão são conhecidas como “frutos do Espírito”, porque são o resultado de Seu trabalho (Gálatas 5,22-24). É também o Espírito que nos dá capacidade para testemunhar de Cristo, ensinar e fazer boas obras. Os dons do Espírito Santo são capacidades que recebemos para a nossa edificação e da igreja. Todo cristão deve ter a consciência de seguir radicalmente a exortação de São Paulo Apóstolo: “Viver cheio do Espírito Santo” (Efésios 5,18).

Frei Inácio José do Vale

Professor e conferencista

Sociólogo em Ciência da Religião

Doutor em História do Cristianismo

Formador dos Irmãozinhos da Visitação de Charles de Foucauld

E-mail: pe.inacio.jose@gmail.com

Fontes:

(1)http://www.paulopes.com.br/2017/09/cai-numero-de-cristaos-nos-estados-undos.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+Paulopes+%28Paulopes%29#.WbadHfl97IU

(2)https://pt.aleteia.org/2017/05/23/mais-paroquias-fechadas-nos-estados-unidos-o-que-fazer/?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt

(3)https://pt.aleteia.org/2017/08/21/por-que-ha-pessoas-que-nao-querem-mais-ir-a-missa/


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
1 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 

:-)