PERGUNTE E RESPONDEREMOS 393 – fevereiro 1995

Declarados Veneráveis:

 

OS PAIS DE SANTA TERESINHA DE LISIEUX

 

Em síntese: Aos 26 de março de 1994 a Congregação para as Causas dos Santos (Roma) reconheceu, após minucioso exame e o parecer positivo de teólogos, a heroicidade das virtudes dos pais de Santa Teresinha de Lisieux — o Sr. Luís Martin e a Sra. Zélia Guérin. Em conseqüência, podem ser tidos como "Veneráveis" na linguagem da Igreja — o que vem a ser o primeiro passo para a Beatificação e a posterior Canonização desse casal admirável, modelo para os casais de nossos dias.

 

Sabe-se que a família de Santa Teresinha de Lisieux (1873-1897) foi uma escola de virtudes, que deu belos frutos. A segunda mais jovem das filhas do casal Lufs-Zélia, Teresa do Menino Jesus, com dezesseis anos de idade entrou no Carmelo de Lisieux, e em 1925 foi canonizada ou inscrita no catálogo dos Santos. Acontece que o pai e a mãe dessa jovem heroína também gozam de fama de santidade, o respectivo processo, que examina o teor de vida, os escritos e as declarações dessas duas beneméritas pessoas, já foi iniciado. O Vice-Postulador ([1]) da Causa, o Pe. André Deroo, dá ao público a alvissareira noticia do êxito obtido na primeira etapa desse procedimento. — Transcrevemos, a seguir, em tradução portuguesa, o artigo respectivo publicado no Journal Paroissial de Carmin.

 

I. A NOTÍCIA

 

"Tenho a imensa satisfação de anunciar que, no dia 26 de março de 1994, foi promulgado pela Santa Sé o decreto que reconhece a heroicidade das virtudes de um pai e de uma mãe de família, ou seja, dos genitores de Santa Teresa do Menino Jesus; a respeito destes, aliás, já dizia a sua santa filha: 'São mais dignos do céu do que da terra'.

 

Luis Martin nasceu em 1823 e faleceu em 1894. Zélia Guérin nasceu em 1831 e morreu em 1877. Tiveram nove filhos. Quatro morreram prematuramente. Cinco moças sobreviveram: quatro delas (das quais Teresa foi a mais jovem) se fizeram carmelitas, ao passo que a quinta se tornou visitandina.

 

Quando Teresa faleceu com vinte e quatro anos de idade em Lisieux no ano de 1897, deixou três manuscritos, que, reunidos, deram origem ao famoso livro, conhecido com o título de "História de uma Alma". Esta obra deu a conhecer os 'incomparáveis' genitores da Santa. E foi talvez uma das razões por que em 1925, quando Lisieux festejou a canonização de Teresa do Menino Jesus, o Cardeal Vigo fez a seguinte conclamação: 'Pois bem! Agora pediremos a Roma que volte sua atenção para o pai de Teresa!'. No Carmelo as filhas de Luis Martin protestaram contra esta sugestão; todavia elas não podiam ignorar que se tratava de reconhecer os méritos dos respectivos genitores.

 

Outro livro muito contribuiu para que se espalhasse a fama do casal: "Histoire d'une famille — Une Ecole de Sainteté (História de uma Família — Uma Escola de Santidade)"; era obra da autoria do Pe. Stéphane Piat, que a publicou em 1946. Muitas vezes reeditado, esse livro deu a conhecer amplamente o relojoeiro de Alençon Louis Martin, que, com sua esposa, a exímia confeccionadora de rendados, suscitaram a admiração de quem os conhecia. Mais: também chamaram a atenção do público dois livros de Memórias de família coletadas por Ir. Genoveva (Celina Martin), com os títulos respectivos de 'Le père de Sainte Thérèse' e 'La mère de Sainte Thérèse'. Estes escritos provocaram pedidos de Beatificação provenientes de diversas partes do mundo. Em conseqüência, os Bispos de Sées e Bayeux constituíram instâncias próprias para recolher os testemunhos referentes a Zélia e Luís Martin.

 

Os trabalhos começaram em Bayeux e em Sées no ano de 1957. O Postulador das duas Causas era o Padre Prior Geral dos Carmelitas em Roma. Era assessorado por dois Vice-Postuladores, dos quais um morreu em 1961, ao passo que o outro teve que renunciar por motivos de saúde. Em pediram-me que assumisse o cargo de Vice-Postulador; foram-me então confiadas as duas Causas. Compete-me realizar pesquisas, coletar as informações necessárias para se constituir a documentação destinada à Secção de História da Congregação para as Causas dos Santos.

 

Meu trabalho terminou em 1982. Foi examinado pelos Oficiais responsáveis da Congregação e aferido por consultores idôneos, após o quê, aos 26/3/94, foi promulgado o decreto que reconhece a heroicidade das virtudes de Luis e Zélia Martin. Podem ser honrados como "Veneráveis". Rezemos para que, na base do testemunho de um milagre, possam ser proclamados 'Bem-aventurados' ".

 

II. COMENTÁRIO

 

Caso ocorra a Beatificação, será o primeiro caso de dois esposos, pai e mãe de família... e de uma santa família! O testemunho desse casal é eloqüente também para os casais de nossos dias. A santidade é a vocação básica e impreterível de todo fiel cristão, qualquer que seja o caminho que Deus lhe assinale na terra (casamento. Vida Religiosa ou celibato...). Na igreja doméstica que é o lar cristão, o Senhor Jesus está presente e continua sua obra redentora e santificadora; esta começa, para cada cristão, na celebração dos sacramentos e se estende a todas as expressões (mesmo às " mais "profanas") da vida cristã. "As palavras voam, os exemplos arrastam", dir-se-á ao contemplar a lição dos pais de S. Teresinha.

 

Tem-se divulgado uma oração para pedir a Deus a exaltação do casal Martin e para obter graças mediante a sua intercessão:

 

"Deus nosso Pai, eu vos dou graças a propósito de Luís e Zélia Martin, casal que permaneceu fiel e unido, dando o testemunho de uma vida cristã exemplar pelo cumprimento dos deveres de estado e pela prática das virtudes evangélicas. Educando uma prole numerosa através de provações, lutas e sofrimentos, manifestaram generosamente a sua confiança em Vós e a sua submissão à vossa santíssima vontade.

Dignai-Vos, Senhor, manifestar vossos desígnios a respeito desses justos, e concedei-me as graças que solicito, na expectativa de que o pai e a mãe de Santa Teresa do Menino Jesus possam um dia ser apresentados como modelo às famílias dos nossos dias".

 

 

Estêvão Bettencourt O.S.B.



[1] Todo processo de Canonização também dito Postulação de Causa de Canonização de uma pessoa falecida em odor de santidade é organizado e movido por um sacerdote ou um Bispo chamado "Postulador"; geralmente este conta com um ou mais auxiliares chamados "Vice-Postulador es".

O processo de canonização ou inscrição no catálogo dos Santos passa por três etapas: 1) o reconhecimento da heroicidade das virtudes da pessoa em foco, em conseqüência do quê esta é tida como "Venerável"; 2) a Beatificação, que permite o culto de veneração dessa pessoa dita "Bem-aventurada" ou "Beata" — em caráter local ou nos lugares em que viveu tal pessoa; 3) a Canonização, que permite a veneração na Igreja inteira.

Para a Beatificação, requer-se um milagre, devidamente examinado por peritos, inclusive pelo "Advogado do Diabo", e teólogos. Para a Canonização, requer-se outro milagre. Quando se trata de um(a) mártir, ou de alguém que morreu por causa da sua fé católica, são dispensados os milagres. Ver nosso Editorial, à p.49 deste fascículo.


Pergunte e Responderemos - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
2 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
-

:-)