REVISTA PeR (1732)'
     ||  Início  ->  
Artigo

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 012 – dezembro 1958

 

Que é o Pecado contra o Espírito Santo?

DOGMÁTICA

PRADO (Rio de Janeiro): “Em que consiste o pecado contra o Espírito Santo, que Jesus diz ser irremissível ?

 

O texto donde se deriva a questão, encontra-se em Mt 12,31s; Mc 3,28; Lc 12,10, sendo a recensão de São Mateus a mais explícita:

«Portanto eu vos digo: todo pecado e blasfêmia será perdoado aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada. E se alguém disser uma palavra contra o Filho do homem, isto lhe será perdoado; mas, se falar contra o Espírito Santo, isto não lhe será perdoado nem no presente século nem no futuro» (Mt 12,31s).

 

Como se vê, o Senhor distingue claramente entre palavra (ou pecado) contra o Filho do homem e palavra (ou pecado) contra o Espírito Santo. Vejamos sucessivamente o que significa cada uma destas duas expressões.

 

1. O sentido do pecado contra o Espírito Santo é elucidado pelo contexto das palavras de Jesus em Mt e Mc.

O Divino Mestre acabara de expulsar demônios, provocando surpresa na multidão que o acompanhava (cf. Mt 12,23). Os fariseus, em vez de reconhecer nisso uma intervenção da Onipotência Divina, interpretaram esses feitos gloriosos contra a lógica e o bom senso, como sendo obra de um espírito impuro, do qual Jesus estaria possesso. Assim atribuíam ao espírito do mal feitos de bondade e salvação; confundiam o principio do Bem com o principio do mal,... Jesus, o Enviado do Pai, com um agente de Satanás. Em uma palavra: fechavam os olhos a manifestações evidentes do poder de Deus.

 

Uma tal atitude supõe da parte do homem recusa obstinada, que só se explica pelo fato de que Deus, tendo dotado o homem de liberdade de arbítrio, respeita a dignidade de sua criatura. Esse endurecimento de coração é, no texto do Evangelho, chamado «pecado contra o Espírito Santo», não por implicar malícia especial contra a terceira Pessoa da SSma. Trindade, mas porque se opõe diretamente à ação santificadora de Deus nas almas, ação que é atribuída ao Espírito Santo. A Escritura, com efeito, costuma apropriar ao Espírito, Amor Subsistente em Deus, essa obra de amor que é solicitar (por sinais visíveis e apelos invisíveis) os homens para a vida perfeita; é também, segundo as páginas sagradas, por obra do Espírito Santo que se realizam as grandes manifestações de Deus no mundo (cf. Jz 3,10; 6,34; 11,29; 13,25; Ez 36,27; Jl 3,1s).

 

Donde se vê que «pecar contra o Espírito Santo» é resistir obstinadamente às solicitações evidentes que Deus dirige às suas criaturas.

 

2. No mesmo contexto toma sentido claro a expressão «pecado contra o Filho do homem». O «Filho do homem» designa a Divindade encoberta pelos véus da carne; é Deus que se assemelha aos homens em tudo, exceto no pecado tornando-se mesmo capaz de desconsertar as expectativas da sabedoria humana (cf. Mt 11,6). O pecado contra o Filho do homem vem a ser então a queda atenuada pela fraqueza mais ou menos involuntária das criaturas que, embora aspirem ao bem, não sabem entrever a ação de Deus nos desígnios da Providência; tal terá sido, por exemplo, o pecado de Pedro, que na hora da Paixão renegou o Divino Mestre.

 

3. Jesus adverte que o pecado contra o Espírito Santo não encontra perdão. Isto se entende bem à luz das noções acima. Não há perdão, ao menos se se observa o procedimento habitual da Providência Divina, onde o pecador não o deseje, mas ao contrário se fecha à graça. Ora tal é, sem dúvida, a atitude do homem que luta conscientemente contra a ação de Deus em sua alma; um tal rejeita o princípio de toda ressurreição espiritual, tomando-se vítima da sentença que ele mesmo profere sobre si.

 

Convém frisar que jamais falta, da parte de Deus, a misericórdia necessária para indulgenciar qualquer culpa do homem; a bondade do Onipotente será sempre maior do que a mesquinhez da criatura (cf. 1Jo 3,20); mas, se o réu não quer receber o dom do Alto, o Senhor não o costuma impor. A rigor, Deus pode forçar o pecador a se arrepender; isto, porém, não se faria sem derrogação ao livre arbítrio, atributo característico do ser humano, que o Senhor habitualmente não retoca. Contudo nota S. Tomás que, mesmo em casos de obstinação, «a via do perdão e da cura não está obstruída para a Onipotência e a Misericórdia de Deus, O Qual algumas vezes realiza curas espirituais como que por milagre»" (S. Teol. II/II 14,3c).

 

“Nem no presente século nem no futuro” (Mt 12,32). Eis uma expressão semítica que, no caso, significa a absoluta irremissibilidade do pecado contra o Espírito Santo; em tempo algum, o pecador que recuse o perdão será forçado a aceitá-lo.

 

Em conclusão, verifica-se que o pecado contra o Espírito Santo não versa sobre determinado objeto, nem consiste em uma falta tão vultuosa que vença o Amor Divino para com a criatura, mas é simplesmente a resistência aberta e consciente à graça de Deus. Não há pecado por si irremissível, nem situação de pecador tão desesperada que não possa ser recoberta pela Misericórdia do Salvador, a qual sempre se obterá através do sacramento da Penitência ou, caso este não esteja ao alcance do homem, através de sincero ato de contrição.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
7 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
-

:-)