PROTESTANTISMO (1283)'
     ||  Início  ->  
Artigo

Pesquisa no Reino Unido aponta que suicídio entre protestantes é três vezes maior

 

Sascha Becker e Ludger Woessmann conduzem uma pesquisa para provar que a incidência de suicídios é maior entre os protestantes que entre os católicos.

 

Essa pesquisa foi realizada pela Universidade de Warwik no Reino Unido e visa exatamente isso, traçar uma relação entre o protestantismo e o suicídio. Ocorre que essa pesquisa teve dados bem consistentes.

 

Sasha, prudente, alega que talvez a apostasia das pessoas para as seitas tenha sido justamente porque a pessoa apresentava um comportamento suicida e buscou nessas seitas um apoio, sendo que o suicídio pode não ter sido pelo fato de ser protestante, mas o fato de ser suicida influenciou na opção de vida. Isso não influi muito porque se o comportamento suicida faz as pessoas virarem protestantes, então o fato de elas virarem protestantes é um problema comportamental assim como o comportamento suicida.

 

No entanto, esse argumento cai por terra quando confrontado com os números, uma vez que nas áreas predominantemente protestantes, o número de suicídios é três vezes maior que nas áreas predominantemente católicas.

 

Sasha e Ludger informam que o individualismo presente nas seitas protestantes é fator que pode gerar uma influência na questão de suicídios, enquanto a Igreja Católica é mais congregacional e as pessoas vivem mais a coletividade da religião dependendo do grupo em momentos de maiores tristezas.

 

A opinião do Bizarrices Protestantes é que os católicos estão mais habituados a confessar seus pecados e as suas angústias aos padres, sendo que podem ter um apoio mais direto e focado, enquanto os protestantes são mais individualistas e tendem a ocultar cada vez mais os próprios erros e fraquezas. Só pode acabar mal isso.

 

Essa hipótese da confissão é a terceira hipótese que os pesquisadores levantaram e além dessas duas, ainda apontaram o fato de que na Igreja Católica as obras de fé são necessárias, como uma questão de benesses pelas boas práticas e castigo pelos pecados, sendo mais internalizado nos católicos que o suicídio é um pecado grave. Já os protestantes não pregam a necessidade de obras, mas a posse de bênçãos de Deus e da graça de Cristo. Assim, além de os protestantes serem mais individualistas e não confessarem os pecados, a falta de obras de caridade por parte deles também influencia nessa estatística.

 

Evidente que esses males do protestantismo também geram outros males, como o caso de 90% dos atendimentos da Delegacia da Mulher ser feito em famílias protestantes. Dizendo mais claramente, quase a totalidade dos casos de ESPANCAMENTO de mulheres é em lar protestante.

 

O estudo dos professores Becker e Woessmann, intitulado “Batendo na Porta do Céu? Protestantismo e Suicídio”, será publicado em breve por uma revista acadêmica.

 

Fonte: Bizarrices Protestantes


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
#0•A3832•C907   2017-01-06 09:51:31 - Convidado/Dani Acioli

Início › Apologética › O PROTESTANTISMO DAS PESQUISAS COM SUAS ZOMBARIAS E DEBOCHES
O PROTESTANTISMO DAS PESQUISAS COM SUAS ZOMBARIAS E DEBOCHES
Publicado em 02/11/2013 por afeexplicada — 1 Comentário

================================================================

Protestantes não raras vezes discordam uns dos outros.

E mesmo que todos identifiquem heresias uns nos outros, todos se consideram irmãos em Cristo para fins estatísticos.

A maior parte reconhece que o Espírito Santo não ensina doutrinas divergentes e......

Ler mais...  -  Responder
#1•R907•C921   2017-03-16 11:00:56 - Convidado/edupolsac@gmail.com
Aos autores do texto acima quero brevemente dirigir alguns comentários.

Em primeiro lugar, parabéns pela educação e cordialidade, o que falta a alguns "lideres", de fato. Nasci católico, fui catequista na católica e nunca me motivaram a ler a Bílbia. Tinha 300 jovens sob minha co-direção e nunca, nem ao menos uma vez, um diácono ou mesmo o sacerdote me perguntou se eu entendia algo sobre o que nos tinha sido relatado no livro sagrado. Esperava que tivesse sido um caso isalado naquela comunidade, mas sei que não é.

À partir daqui quero começar meus apontamentos. Al......

Ler mais...  -  Responder

:-)